Cantinho da Saudade
Onde a Poesia Fala Mais Alto!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
BALADA DE AMOR E PRANTO

Quero compor uma balada
Que fale dessa minha dor
Em que minh'alma acabrunhada
Qual feia e moribunda flor
Jaz deste aquele triste instante
(Ai, ai, ai ai, pecados meus!)
Em que vieste tão ofegante
Dizer-me o teu triste adeus!

Do vento forte a lufada
Se faz ouvir com gran fragor
Qual se tua voz, ó Bem-Amada,
Se anunciasse com langor
A me lembrar do amargurante
Momento  vão (valha-me Deus!)
Em que vieste esfuziante
Dizer-me o teu triste adeus!

Sozinho pela madrugada
Meus versos tristes a compor
Pensando em vão na Namorada
Que me pôs nesse dissabor
Ouço um lamento altissonante
(Nênias de nobres e plebeus...)
És tu, que vens, dilacerante,
Dizer-me o teu triste adeus!

OFERTA

A ti, Princesa, dilacerada
Minh'alma canta os sonhos seus:
Não venhas nunca, indelicada,
Dizer-me o teu triste adeus!

Afuá, Pará, Brasil, 15 de fevereiro de 2017.

Composto por Jayme Lorenzini Garcia. 

Balada Anterior | Próxima Balada
Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 15/06/2020
Alterado em 04/08/2020
Comentários