Recanto do Cantinho da Saudade
A poesia e as vozes cavas dos meus eus nefelibatas!!!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos

A MELGAÇO

 

Tu és o recanto da saudade,

Anacoluto do meu bem querer!
Em teu regaço,
Oh! Que suavidade…
Seria tão bom pra sempre em ti viver!
Fosses somente alma louçã…
Na dociáspera lira do poeta
Foste consagrada, Melgaço, a predileta,
Senhora absoluta do primeiro sol da manhã!

Quanta beleza ostenta o teu crepúsculo
Quando os pássaros em perene e meigo opúsculo
Atingem serenamente a Ilha da Maracanã!

Mas és também
Emaranhado de incertezas
Ocaso frio de um sol ensangüentado!
Eu te quero bem
Não obstante o ser imerso em tristezas
E o coração esfacelado…
Na luta intensa de te entender
Melgaço, quantas lágrimas amargas
Não te fizeram desejar viver em paz lá em Pasárgada
Onde é mais belo o amanhecer.

Melgaço, aguarda-te um melhor futuro…
Mas se te entregares nas mãos de um Collor imaturo
Retardarás o teu desenvolver!

 

Melgaço, Pará, Brasil, 15 de agosto de 1996.
Composto por Jaime Adilton Marques de Araújo.
Início | Próximo

Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 12/01/2022
Alterado em 12/01/2022
Comentários

Jadilton Marques
 

Minha foto
Ver tamanho ampliado

Entre em contato comigo
E-mail: jaimeadilton@gmail.com

Minhas páginas da Web:

 

Sobre mim

Gênero: Masculino
Atividade: Pregoeiro
Profissão: Contador
Local: Melgaço, Ilha de Marajó, Pará, Brasil
Links: Áudio
Introdução:

TABACARIA

Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. [...] Fiz de mim o que não soube E o que podia fazer de mim não o fiz. O dominó que vesti era errado. Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me. Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha envelhecido. Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado. Deitei fora a máscara e dormi no vestiário Como um cão tolerado pela gerência Por ser inofensivo E vou escrever esta história para provar que sou sublime. [...]


Álvaro de Campos

Interesses:

Música, Poesia, Brasilidade, Literatura, e tudo o mais que há de bom na vida.

Filmes favoritos:


Um Amor Para Recordar, O Leitor, O 13º Andar, A Trilogia Matrix, A Trilogia Deixados Para Trás, entre outros.

Músicas favoritas:


Pedaço de Mim, Tinha Que Acontecer, Rainha da Vida, Tocando em Frente, Chão de Giz, Todas as do Vinícius de Moraes, entre outras tantas.

Livros favoritos:


A saga: O Vendedor de Sonhos, Dom Casmurro, Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Carne, Amor de Perdição, A Moreninha, A Barca dos Amantes, Os Lusíadas, O Jogo da Detetive, O Pequeno Príncipe, entre tantos outros.