Recanto do Cantinho da Saudade
A poesia e as vozes cavas dos meus eus nefelibatas!!!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos

 Iara Cinthya Marcondes da Silveira, A Clássica


Sou Iara Cinthya Marcondes da Silveira. Nasci no dia 21 de março de 1969, no município de Breves, Ilha de Marajó, Estado do Pará, Brasil. Sou formada em Agronomia e presto serviços de consultoria nessa área.


Sou um dos heterônimos de Jaime Adilton Marques de Araújo e, psicanaliticamente falando sou seu ID feminino, voltado para a busca do prazer sensual. Surgi para atender a uma necessidade sua de bebericar da Fonte de Hipocrene, nas nascentes do Classicismo, resgatando os aspectos mais relevantes desse estilo de época no que diz respeito à arte poética!

 

Obra 

Minha obra está intimamente ligada ao resgate da temática e das técnicas clássicas, resgatando, com saudosismo, os aspectos mais relevantes dessa importante escola literária!


Por outro lado, minha poética também está voltada para o princípio do prazer sensual, sob a ótica de uma mulher. Meus versos exaltam o amor em sua plenitude física, captado pelas lentes femininas de uma ninfomaníaca.
 

◄ Adamir Freire | Manoel Botelho ►
 

Voltar à Capa

Iara Cinthya Marcondes da Silveira
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 11/06/2020
Alterado em 19/01/2022
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários

Jadilton Marques
 

Minha foto
Ver tamanho ampliado

Entre em contato comigo
E-mail: jaimeadilton@gmail.com

Minhas páginas da Web:

 

Sobre mim

Gênero: Masculino
Atividade: Pregoeiro
Profissão: Contador
Local: Melgaço, Ilha de Marajó, Pará, Brasil
Links: Áudio
Introdução:

TABACARIA

Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. [...] Fiz de mim o que não soube E o que podia fazer de mim não o fiz. O dominó que vesti era errado. Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me. Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha envelhecido. Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado. Deitei fora a máscara e dormi no vestiário Como um cão tolerado pela gerência Por ser inofensivo E vou escrever esta história para provar que sou sublime. [...]


Álvaro de Campos

Interesses:

Música, Poesia, Brasilidade, Literatura, e tudo o mais que há de bom na vida.

Filmes favoritos:


Um Amor Para Recordar, O Leitor, O 13º Andar, A Trilogia Matrix, A Trilogia Deixados Para Trás, entre outros.

Músicas favoritas:


Pedaço de Mim, Tinha Que Acontecer, Rainha da Vida, Tocando em Frente, Chão de Giz, Todas as do Vinícius de Moraes, entre outras tantas.

Livros favoritos:


A saga: O Vendedor de Sonhos, Dom Casmurro, Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Carne, Amor de Perdição, A Moreninha, A Barca dos Amantes, Os Lusíadas, O Jogo da Detetive, O Pequeno Príncipe, entre tantos outros.