Cantinho da Saudade
Onde a Poesia Fala Mais Alto!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
O DESEJO DO POETA

A inspiração não me acode nesta hora
Que penso na morena dos meus sonhos
Para fazer-lhe em versos imponentes
O mais belo poema de ternura
Ouriçando a combustão no aconchego
Da louca sarça ardente de seu corpo!

Em louca febre ardente o seu corpo
Dá sinais de que precisa desta hora,
Do meu abraço forte e do aconchego
Que embala a luxúria dos seus sonhos
Imersos em desejos  e ternura
De delírios febris e imponentes!

Desejo seus sussurros imponentes,
Desejo ardentemente o seu corpo
Para abrandar do fogo a ternura
Que queima o meu peito bem na hora
Em que m'entrego tonto aos meus sonhos
De com ela viver nesse aconchego!

Ah! seu carinho sincero, o aconchego
De seus braços de abraços imponentes
Que me faz delirar em rudes sonhos
De descansar no oásis de seu corpo
Esquecido da vida, atento à hora
De oferta-lhe meu amor, minha ternura!

É indizível sentir essa ternura
Pela morena a quem dou aconchego,
Com quem eu sonho nessa triste hora
E a quem louvo em rimas imponentes;
É bom sonhar co' a febre de seu corpo
Em doces, e febris, e longos sonhos!

E se a inspiração não faltam os sonhos,
Nem o enleio inebriante da ternura
Que busca da Amada o ardente corpo
Exaurindo-se em paixão e aconchego
Na chama de amor & sexo, imponentes
Amantes que se amam a qualquer hora!

Quero-a nesta hora, mesmo que em sonhos
Belos e imponentes, cheios de ternura
Pra sentir o aconchego de seu corpo!

Afuá, Pará, Brasil, 16 de dezembro de 2012.

Composto por Jayme Lorenzini Garcia.

Início | Próxima Sextina
Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 08/08/2020
Comentários