Recanto do Cantinho da Saudade
A poesia e as vozes cavas dos meus eus nefelibatas!!!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos

ÚLTIMA CANÇÃO DO RIO PRETO (*)

Rio Preto que cantei um dia
Num poema feito de aurora.
Rio Preto das minhas lágrimas,
Dos meus doloridos traumas
(Mas também do amor primeiro
De beijos doces e castos),
Adeus! Eu já vou-me embora!

Vou partir para Melgaço.
Mas meu umbigo vai ficar
Enterrado no pé da árvore
Que meus sonhos embalou
De conquistar France Eunice -
A loira d'olhos de amêndoas,
Razão do meu suspirar.

Rio Preto da prima/vera
E outras paixões desenfreadas...
Tua beleza pura e mística
Contagiou meu coração
De encantos e sortilégios,
De temores e mistérios,
Das primeiras namoradas!

Rio Preto das minhas lágrimas,
Não nego ser filho teu!
És berço da minha infância?
Nela compus os primeiros
Rabiscos de um velho poema
Sobre um amor platônico
Que o velho Tempo escondeu.

Vou-me embora, vou-me embora,
Vou-me para outras paragens.
Mas levo dentro do peito
Uma doce nostalgia
Das noites de lua cheia,
Das volumosas marés
Que te transbordam as margens!...

De tua paisagem noturna
(A gozar a majestade
Do solene quiririm)
Despeço-me... estou partindo
De ti... (...e será para sempre!)
Mas deixo-te de lembrança
O aroma dessa saudade!

Rio Preto, tu és a vida!
Teu leito - fonte canora
Tuas terras - rotas de origem
Do meu sofrido passado!
Amo-te com a minha alma
Triste, e a despedir-me, digo:
Adeus! Adeus... vou-me embora!

 

Rio Preto, Melgaço, Pará, Brasil, 5 de Janeiro de 1993.

Composto por Jaime Adilton Marques de Araújo.
Início | Próximo Contrafactum ►


CONTRAFACTUM: Em música vocal, contrafactum é a substituição de um texto por outro sem mudança significativa na melodia. Enquanto traduções de canções geralmente não constituem uma substituição de texto, exemplos de contrafacta incluem uma canção que já possui letra receber um novo poema.

 

(*) Contrafactum do poema "ÚLTIMA CANÇÃO DO BECO" de Manuel Bandeira.

Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 21/06/2020
Alterado em 10/01/2022
Comentários

Jadilton Marques
 

Minha foto
Ver tamanho ampliado

Entre em contato comigo
E-mail: jaimeadilton@gmail.com

Minhas páginas da Web:

 

Sobre mim

Gênero: Masculino
Atividade: Pregoeiro
Profissão: Contador
Local: Melgaço, Ilha de Marajó, Pará, Brasil
Links: Áudio
Introdução:

TABACARIA

Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. [...] Fiz de mim o que não soube E o que podia fazer de mim não o fiz. O dominó que vesti era errado. Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me. Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha envelhecido. Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado. Deitei fora a máscara e dormi no vestiário Como um cão tolerado pela gerência Por ser inofensivo E vou escrever esta história para provar que sou sublime. [...]


Álvaro de Campos

Interesses:

Música, Poesia, Brasilidade, Literatura, e tudo o mais que há de bom na vida.

Filmes favoritos:


Um Amor Para Recordar, O Leitor, O 13º Andar, A Trilogia Matrix, A Trilogia Deixados Para Trás, entre outros.

Músicas favoritas:


Pedaço de Mim, Tinha Que Acontecer, Rainha da Vida, Tocando em Frente, Chão de Giz, Todas as do Vinícius de Moraes, entre outras tantas.

Livros favoritos:


A saga: O Vendedor de Sonhos, Dom Casmurro, Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Carne, Amor de Perdição, A Moreninha, A Barca dos Amantes, Os Lusíadas, O Jogo da Detetive, O Pequeno Príncipe, entre tantos outros.