Cantinho da Saudade
Onde a Poesia Fala Mais Alto!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
BALADA PARA MADALENA

Se eu sorrir como quem chora
É que a tristeza me devora de saber
Que partindo de repente foste embora...
E como é que eu faço agora a sofrer?!

Sem teus passos de outrora,
Sem ouvir tuas estórias
O que é que vou fazer?...
Grita a alma, o peito implora,
Em meu ser o luto mora;
Como posso te esquecer?!

Dia e noite (não tem hora)
O Tempo escoa e se arvora em dizer:
- Segue adiante! ‘Inda há vida lá fora!...’
Mas a flor da dor aflora no meu ser:

 
A angústia é sonora
Na canção que se escora
A dedilhar e a planger
A lembrança que por ora
Brota n’alma, feito espora,
Traz tua ausência, bem-querer!

Teu sorriso - luz d' aurora -
Porto onde o barco ancora do viver...
Se dolente de desgosto a alma chora,
Com tua saudade, agora, vou conviver

 
A carpir nos versos desta cantilena
O vazio que tu deixaste Madalena!...
Madalena!... Madalena!... Madalena!...

 
Melgaço, Pará, Brasil, 09 de dezembro de 2020.

Composto por Jaime Adilton Marques de Araújo. 

Balada Anterior | Início
Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 15/06/2020
Alterado em 04/08/2020
Comentários