Recanto do Cantinho da Saudade
Aqui a poesia fala mais alto nas vozes cavas dos meus eus!!!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos

Olympio José de Araújo

 

Nascimento e Infância: Olympio José de Araújo nasceu no dia 21 de novembro de 1985, no município de São Sebastião da Boa Vista, situado na Ilha de Marajó, Estado do Pará, Brasil. Desde pequeno, Olympio José foi influenciado pelas narrativas de seus pais e avós de estórias e 'causos' que despertaram seu fascínio pelo mundo encantado das letras.

 

Formação Acadêmica: Olympio José graduou-se em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará. Sua formação acadêmica em pedagogia não só o capacitou a entender e ensinar, mas também a explorar a riqueza e a magia da palavra escrita.

 

Vida e Carreira: Olympio José é o mais antigo heterônimo de Jaime Adilton Marques de Araújo, surgindo no final da década de 1980, durante os primeiros anos escolares de Jaime Adilton na Escola Municipal Betel, rio Preto, afluente do rio Tajapuru, na zona rural do município de Melgaço. Foi nessa época que Jaime Adilton, encantado pelo mágico mundo das palavras, encontrou em Olympio José uma forma de dar vida à sua paixão pela narrativa e pela prosa.

 

Estilo Literário e Filosofia: A obra de Olympio José é constituída exclusivamente em prosa. Ele não se prende a nenhuma vertente literária específica, permitindo que sua escrita flua livremente para capturar a essência da vida e das histórias que a compõem.

 

Temas e Influências: Olympio José de Araújo é influenciado pelas histórias e narrativas orais que ouviu na infância. Seus escritos refletem uma profunda admiração pela vida cotidiana, pelas pequenas e grandes histórias que fazem parte do tecido social. Sua prosa é uma celebração da vida em suas múltiplas facetas, com um foco especial na riqueza das experiências humanas.

 

Obras Principais: Embora as obras específicas de Olympio José de Araújo não sejam listadas aqui, sua produção em prosa é vasta e diversa. Ele se dedica a contar histórias que exaltam o amor, a vida e as experiências humanas, capturando a beleza do cotidiano e transformando-o em narrativa.

 

Olympio José de Araújo e Jaime Adilton Marques de Araújo

Olympio José é uma manifestação do superego de Jaime Adilton Marques de Araújo, representando a consciência moral e os valores internos de Jaime Adilton. Através de Olympio José, Jaime Adilton encontra uma forma de explorar e exaltar a vida e o amor em suas muitas dimensões, usando a prosa como veículo para transmitir suas observações e sentimentos.

 

Conclusão

Olympio José de Araújo, como o heterônimo mais antigo de Jaime Adilton Marques de Araújo, desempenha um papel essencial na expressão literária de Jaime Adilton. Sua biografia fictícia, marcada por uma formação em pedagogia e um amor profundo pelas histórias e pela vida cotidiana, reflete a sabedoria e a experiência de quem observa o mundo com um olhar atento e sensível. Através de Olympio José, Jaime Adilton celebra a prosa como uma forma poderosa de contar histórias e de capturar a essência da vida, mantendo viva a tradição da narrativa oral e escrita.


◄ Teotônio Vilaça | Nuno Perez ►
 

Voltar à Capa

Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 11/06/2020
Alterado em 27/05/2024
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários

Jadilton Marques

Minha foto
Ver tamanho ampliado

Entre em contato comigo
E-mail: jaimeadilton@gmail.com

Minha página da Web:

Sobre mim

Gênero: Masculino
Atividade: Pregoeiro
Profissão: Contador
Local: Melgaço, Ilha de Marajó, Pará, Brasil
Links: Áudio
Introdução:

TABACARIA

Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. [...] Fiz de mim o que não soube E o que podia fazer de mim não o fiz. O dominó que vesti era errado. Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me. Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha envelhecido. Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado. Deitei fora a máscara e dormi no vestiário Como um cão tolerado pela gerência Por ser inofensivo E vou escrever esta história para provar que sou sublime. [...]

Álvaro de Campos

Interesses:

Música, Poesia, Brasilidade, Literatura, e tudo o mais que há de bom na vida.

Filmes favoritos:

Um Amor Para Recordar, O Leitor, O 13º Andar, A Trilogia Matrix, A Trilogia Deixados Para Trás, entre outros.

Músicas favoritas:

Pedaço de Mim, Tinha Que Acontecer, Rainha da Vida, Tocando em Frente, Chão de Giz, Todas as do Vinícius de Moraes, entre outras tantas.

Livros favoritos:

A saga: O Vendedor de Sonhos, Dom Casmurro, Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Carne, Amor de Perdição, A Moreninha, A Barca dos Amantes, Os Lusíadas, O Jogo da Detetive, O Pequeno Príncipe, entre tantos outros.